Terça-feira, 16 de Janeiro de 2007

Numa boa amiga silenciosa.


Apoio-me bem numa multidão
Onde ninguém se ouve e todos
Sem realmente falar
Se falam aos gritos
Ou tentam dizer gritando
E sem se entenderem
Num bar...
Em Lisboa Capital
Ou Capitulo, lugar qualquer
Sábado, é acessório, e á noite
Não creio que se converse
‘Vive-se...’ na conversa
Uma ilusão de que se fazem coisas
Entre as quais ouvir e conversar
Mais apenas se consome ou consumem
O que quer que seja até palavras
A não ser que o bar seja meu…
Teu
Ou de quem tenta simplesmente estar
Na minha humilde meia loucura.......
Para quem metade da humildade me olha
Momento de pouca lucidez me quer ver
E apanha a outra meia parte igual.
Igual a tudo individualmente
Diferente de todos colectivamente

publicado por bamos às 02:39
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Domingo, 5 de Novembro de 2006

Onde se inventa e de certa forma se faz... O AMOR

...Sabias que os pares,
Têm pelo menos dois impares
No seu todo
A vida é isso
Escola
Escolhas
E decisoes
Não importa o ano impar
A não ser que o assunto seja vinho...

EU tenho prazo e o tempo voa
TUdo o resto é intemporal
E o que sou hoje...
Amanha não passa de pó
A validade é o segundo imediatamente a seguir ao que acabei de dizer
Já que o inventamos deveria-mos te-lo feito logo a seguir

imperfeitos, pares, perfeitos, ìmpares
publicado por bamos às 00:32
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Terça-feira, 1 de Agosto de 2006

Em beijos de luz a zul

Revivendo azuis
Tenho pena disso
De não ter o mar todos os dias
A entra-me pela janela
Podia ser feliz numa cabana sem grandes nadas ou pequenos tudos
Com vista para esse imenso azul
Se vivesse assim 10 anos ia achar que tinha vivido mil
Adoro os teus silêncios
Pena não poder vê-los como tu vez os meus…
publicado por bamos às 02:53
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Domingo, 2 de Julho de 2006

...

Meu Amor Invertido
...romA...
ESTÁS TÃO LINDA!
Onde quer que estejas.
Aqui...
Estás sempre...
publicado por bamos às 15:58
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 29 de Maio de 2006

Take me dancing











publicado por bamos às 23:34
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Terça-feira, 9 de Maio de 2006

Paixões Luxúria andam uma sem a outra? Talvez andem eu é que gosto de as juntar


































 




Estamos sempre a evoluir ainda que não se sinta eu acho que da vida




Devemos aproveitar ao máximo tudo que nos dá enquanto ela dura




Não te arrependas nunca nem do silêncio que soltas




Adoro saber-te com tudo a que tens direito e tens direito a ele




Consigo ser feliz sabendo que tens momentos de felicidade




Ainda que eu não faça parte deles não magoa embora doa




Não confundes o que sou... se me disseres o que esperas de mim




Diz o outro somos pó e ao pó regressamos




Eu sinto sempre sou nada e de nada sairei e digo




Tudo que tenho recebido é um milagre




Um bónus que a evolução, a vida e tu me querem dar




Nem me sinto nem sentirei nunca com o direito....




De sentir algo ou o que quer que seja em relação a isso




Infelicidade por teres morrido




Apenas a felicidade por te ter conhecido viva




Sem o mesmo direito a ti e com uma enorme vontade




Da tua generosa entrega sempre feita a tua vontade


 


 







publicado por bamos às 00:12
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Sábado, 22 de Abril de 2006

Enquanto se espera...




































É tudo assim




Destino o que tiver que ser sempre será.




Não tentes saber o que sinto




Tenta fazer-me sentir novas coisas e boas




Isso sei que sabes e consegues




Força...




É isso tudo e tudo




Se resume a isso




Nunca digas tudo o que queres....




Diz sempre mais do que tudo que possas querer




Para teres tudo que realmente desejas




Essa já eu aprendi




Pois dizia sempre o que achava ser suficiente querer




E nada tinha quase sempre




Agora exagero quase tudo, tudo mesmo




E tenho geralmente o suficiente para ir sorrindo de quando em vez




Exagero até na forma de te fazer sentires me




Por mim podes ser feliz...




Sei que se o fores alguma dessa felicidade será partilhada comigo




E agradeço!




E podes me deixar chamar-te amiga?




Um dia qualquer, essa amizade dá frutos vais ver




Chamados verdade e partilha, doces como tu amargos como eu 




Agridoces e sem caroços!




Eu vivendo




E tu cheia de vida! Felizes pois




Eu acho que a infelicidade não existe




Ou é ínfima




Existe apenas.... Vida tal qual ela é




Dura




E indefinida




Ninguém sabe realmente para que nasceu




Até ter um filho.




Depois o filho que descubra que nós já não temos tempo nem é esse o nosso
sentido




Todos nascemos felizes e a chorar




Depois morremos a sorrir... sem saber porque




É a maior felicidade que se pode ter




Infelicidade mesmo é morrer




Por isso só somos infelizes a infelicidade só existe




Quando sabemos que no segundo seguinte estamos mortos




E isso infimamente acontece enquanto se espera só depois dela.




 






publicado por bamos às 23:31
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|
Domingo, 2 de Abril de 2006

dois três quatro que mais dá...


































Que bela... imagem

Será miragem...?!

Que fará aqui a est’ hora?!

És fruto do meu querer!

Traição da minha imaginação...

Resquícios de uma noite mal dormida

Onde entram imagens cozinhadas

Tenho uma enorme vontade de te comer

Sempre que te vejo ainda que seja por cá

... assim... cozinhando e confeccionada

Será doença ter fome?! Ou apetite de ti!

hummm tenho que ver isso bolas

Não se vá queimar tudo... e…

ui.... acordar…

Deve ser tudo maravilhoso.

E cozinhar é um acto de Amor... dizem

Sem esse carinho nada sai bem

Apenas um dia como os outros

Acorda-se num bom dia qualquer e vai-se para a cozinha

Amar quem tem a sorte de te…

Ai, coisa boa... nem sabe o bom que é... sentir essa energia

Assim sem se estar a espera, nunca espero…

Fui que me atraso…


 






publicado por bamos às 04:14
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 26 de Março de 2006

Palma...


































Eternamente Tu

O tempo não sabe nada, o tempo não tem razão

O tempo nunca existiu, o tempo é nossa invenção

Se abandonarmos as horas não nos sentimos sós

Meu amor, o tempo somos nós



O espaço tem o volume da imaginação

Além do nosso horizonte existe outra dimensão

O espaço foi construído sem princípio nem fim

Meu amor, huuum, tu cabes dentro de mim



O meu tesouro és tu

Eternamente tu

Não há passos divergentes para quem se quer

Encontrar



A nossa história começa na total escuridão

Onde o mistério ultrapassa a nossa compreensão

A nossa história é o esforço para alcançar a luz

Meu amor, o impossível seduz



O meu tesouro és tu

Eternamente tu

Não há passos divergentes para quem se quer

Encontrar



O meu tesouro és tu

Eternamente tu

Eternamente tu


 






publicado por bamos às 07:19
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|
Terça-feira, 21 de Março de 2006

Prima...





Aproveitem a Primavera


Já!!


é
uma ordem....



João



publicado por bamos às 02:43
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Janeiro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


.posts recentes

. Numa boa amiga silenciosa...

. Onde se inventa e de cert...

. Em beijos de luz a zul

. ...

.

Take...

.

Paix...

.

Enqu...

.

dois...

.

Palm...

.

Prim...

.arquivos

. Janeiro 2007

. Novembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005


blogs SAPO

.subscrever feeds